A Pipa no Brasil

A pipa no Brasil

“Está com medo, tabaréu? É linha de carretel” é o grito de guerra entre os meninos pipeiros”.
Nós brasileiros conhecemos as pipas através dos colonizadores portugueses por volta de 1596. Um fato pouco conhecido de nossa História deu-se no Quilombo dos Palmares, quando sentinelas avançadas anunciavam por meio de pipas quando algum perigo se aproximava, mais uma prova de que a pipa era conhecida na África há muito mais tempo, pois os negros já cultuavam-na como oferenda aos deuses.
Os nomes que a pipa ganhou aqui derivam do animismo que o povo atribuiu ao objeto. Por sua semelhança com a “arraia” ou “raia”, a pipa é assim chamada em muitos lugares do país.
Por sua variedade de cores e pela circunstância de vôo ela é também denominada “papagaio”.
O próprio nome “pipa” deriva da semelhança que o objeto tem com a vasilha bojuda de madeira que serve para conter líquidos;
No Rio Grande do Sul é uma autêntica tradição espanhola o velho costume de empinar pipas na sexta-feira santa. As pessoas saem cedo de casa, com um farnel na mão e a pipa pendurada nas costas, e seguem para os cerros da região, longe dos fios que fazem a transmissão de energia, para dedicar-se ao esporte.
Além dos conhecidos nomes “pipa”, “arraia” ou “raia”, “papagaio”, “pandorga” e suas variantes, é chamada de muitas outras formas nas regiões do país:
Amazonas – Cangula, Guinador, Frade, Curica e Estrela
Ceará – Barril, Bolacha, Cangulo, Estrela e Pecapara
Rio de Janeiro – Cafifa, Laçadeira, Estilão, Gaivota, Marimba, Pião, Modelo, Quadrado e Carambola
Maranhão – Jamanta (quando grande) e Curica (quando pequena)
Pernambuco – Camelo e Gamelo
Rio Grande do Norte – Coruja
Minas Gerais – Frecha, Catita, Quadra e Lampião
São Paulo – Rainha, Peixinho, Quadrado, Quadrada, Quadradinha e Índio
Pará – Maranhoto, Curica, Pote, Guinador e Cangula
Rio Grande do Sul – Churrasco, Barrilete, Arco, Estrela, Caixão, Bidê, Bandeja, Navio e Pipa
Santa Catarina – Papagaio e Barrilote
Em alguns lugares do país, ainda é comum ver um menino montando uma armação com varinha de bambu e usando a criatividade com papéis de seda coloridos. Mas a arte de empinar uma pipa corretamente exige treino e dedicação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *